FADECIT LANÇA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MOTIVACIONAL PARA OS FUNCIONÁRIOS.

2 de maio de 2019

A Fundação de Apoio e Desenvolvimento da Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais – FADECIT lança um novo programa para desenvolver a inteligência relacional de seus funcionários. A iniciativa da Fundação busca formar profissionais que contribuam com suas visões e experiências para alavancar a transformação e a inovação do terceiro setor.

A proposta do programa é conectar pessoas e educá-las emocionalmente para construírem melhores práticas no dia a dia, promovendo o aprimoramento, antecipando cenários e trazendo soluções para os problemas.

A palestra de abertura foi proferida pelo psicólogo e professor Jânio Souza da empresa  Benchmark, que desenvolve um método de inovação e tecnologia a serviço do desenvolvimento humano comportamental.

Para a Presidente da FADECIT, Jacqueline Ávila Ribeiro “a capacitação das características técnicas e dos traços comportamentais são fundamentais para que os colaboradores possam operar como agentes internos de transformação”.

A Presidente acredita que formando o quadro profissional e trabalhando o seu desenvolvimento comportamental, os colaboradores poderão contribuir com “suas experiências e conhecimentos para entrarem como atores indispensáveis no crescimento da FADECIT”.

Para entender um pouco mais:

Segundo Flávia Lippi, diretora-presidente do Instituto de Desenvolvimento Humano Lippi (IDHL) Brasil – Londres – Portugal – Índia, a  inteligência emocional é a inteligência mais velha que existe. Ela explica que Daniel Goleman, autor do livro “Inteligência Emocional”, lá na década de 90 quando falou sobre o assunto foi chocante. Ele percebeu que você poderia mudar toda a sua história de vida e de sucesso, desde que tivesse inteligência emocional. Para a pesquisadora, hoje em dia as pessoas estão falando como se ela fosse uma descoberta atual. Mas a gestão emocional deve ser compreendida num todo, com a inteligência relacional, intelectual, social e a espiritual. Elas se compõem e estão relacionadas. Essa relação de todas as inteligências em harmonia que  melhora o ambiente laboral. Mas para alcançar isso, ele precisa de um grande trabalho de autoconhecimento, antes de jogar opiniões e desejos no seu mundo profissional. O que ele é em casa, ele tem que ser no trabalho. Ele se comporta como ele é? Muitas vezes, profissionalmente, ele “picota” a personalidade para ocupar um lugar.

O que as inteligências fazem, nesses casos, é te ajudar a se colocar e não precisar se picotar. Trata-se de se colocar da maneira que você não se machucará e nem vai ferir o outro. Quando o executivo para de produzir, a tendência das empresas é ver o problema nele. Enquanto os ambientes não se cuidarem, precisaremos cuidar cada vez mais destes executivos. Você pode até deixar temporariamente essa pessoa em equilíbrio, mas se o ambiente não for cuidado, ela vai adoecer de novo. Ela pode ter desde uma doença mental até comportamentos totalmente inadequados quando ela está em desarmonia. Essa saúde tem muito a ver com o ambiente externo e o ambiente interno, diz a especialista.

(Assessoria de Comunicação – FADECIT)